segunda-feira, 23 de março de 2015

PACC- E não sobrou ninguém

E não sobrou ninguém.

"Primeiro congelaram as progressões
Mas não me importei com isso
Eu não ia progredir

Em seguida fizeram a PAC para os contratados
Mas não me importei com isso
Eu também não era contratado
Depois cortaram nos professores aposentados
Mas não me importei com isso
Porque eu ainda não era aposentado
Depois fizeram exame aos professores de inglês
Mas como eu sou de Inglês
Também não me importei
Agora estou com horário zero fui para a requalificação
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo."

O texto foi publicado por um(a) colega no facebook, excelente adaptação do célebre poema de Maiakovsky, que se julgou pertinente publicar neste blogue, não foi indicada a autoria do mesmo por não haver certezas quanto à sua autoria, caso o(a) autor(a) o pretenda informe este blogue, seja por email, seja na caixa de comentários. Obrigado pela excelente adaptação.



"Na primeira noite, eles se aproximam e colhem uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem, pisam as flores, matam o nosso cão.
E não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles, entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua, e, conhecendo o nosso medo, arranca-nos a voz da garganta.
E porque não dissemos nada, já não podemos dizer nada."

Vladimir Maiakovski (1893-1930)- poeta e dramaturgo soviético



"Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro
De seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário
Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável
Depois agarraram uns desempregados
Mas como eu tenho emprego
Também não me importei
Agora estão-me a levar a mim
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo."

Bertold Brecht (1898-1956) poeta e dramaturgo alemão



"Um dia vieram e levaram o meu vizinho que era judeu.
Como não sou judeu, não me incomodei.
No dia seguinte, vieram e levaram o meu outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei .
No terceiro dia vieram e levaram o meu vizinho católico.
Como não sou católico, não me incomodei.
No quarto dia, vieram e levaram-me a mim;
já não havia mais ninguém para reclamar..."

Martin Niemöller, (1933-1984) - pastor luterano alemão, resistência ao regime nazi

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.