segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

27 de janeiro- Dia Internacional da Lembrança do Holocausto

Porque é importante lembrar e relembrar, porque a história tende a repetir-se, porque alguns insistem das mais variadas formas descredibilizar, ostracizar e reprimir e...

Em Dachau "foi criado em março de 1933, o primeiro campo de concentração pelo governo nazi. Heinrich Himmler, o diretor da polícia da cidade de Munique, descreveu-o oficialmente como “o primeiro campo de concentração para prisioneiros políticos”.(...)

Durante o primeiro ano o campo tinha cerca de 4.800 prisioneiros. Inicialmente, os internos eram alemães comunistas, social-democratas, sindicalistas, e outros adversários políticos do regime nazista. Com o passar do tempo, outros grupos também foram encarcerados em Dachau, entre eles as Testemunhas de Jeová, ciganos, homossexuais, aqueles considerados “anti-sociais”, além de criminosos. Durante os primeiros anos relativamente poucos judeus lá foram presos, e os que o foram pertenciam a uma das categorias acima mencionadas ou eram aqueles que já haviam cumprido sentença prisional comum por haver infringido as Leis de Nuremberg de 1935."

Foi em Dachau que o Pastor Martin Niemöller, que inicialmente apoiou o nazismo, foi depois detido e mandado para Dachau por Hitler, tendo ficado célebre a sua adaptação de um célebre poema de  Maiakovsky 
E Não Sobrou Ninguém
"Quando os nazis levaram os comunistas, eu calei-me, porque, afinal, eu não era comunista.
Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu calei-me, porque, afinal, eu não era social-democrata.
Quando eles levaram os sindicalistas, eu não protestei, porque, afinal, eu não era sindicalista.
Quando levaram os judeus, eu não protestei, porque, afinal, eu não era judeu.
Quando eles me levaram, não havia mais quem protestasse"
Memorial ao Holocausto no Campo de Concentração de Dachau, Alemanha


Recomenda-se também uma visita a este excelente site do Público sobre a

"A história nunca contada dos portugueses nos campos de concentração

Michael, judeu nascido em Lisboa, foi deportado para Auschwitz. Luiz, emigrado em Lyon, comunista, foi um dos 1191 passageiros de um comboio que saiu de Toulouse em direcção a Buchenwald. O algarvio Casimiro morreu no campo de concentração de Neuengamme. Maria nasceu em Ponte de Lima e passou por Ravensbrück, Neuengamme e Bergen-Belsen. Como eles, dezenas de portugueses não saíram incólumes do conflito que devastou a Europa há quase 70 anos. As suas histórias são, finalmente, contadas."

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.